O Brasil levará 500 anos para ser passado a limpo, a corrupção é hereditária e está no sangue, infelizmente.

O Brasil é um país dos piadistas e da corrupção, infelizmente. Acabamos de sair do carnaval que poderia ter demonstrado o verdadeiro sintoma da crise que vivemos, pelo contrário, nos revelou ser mesmo o país das maravilhas e que não deve mesmo ser levado a sério. Mesmo com índices alarmantes de violência e degradação dos bons costumes, assistimos o glamour nas passarelas do samba, de Olinda, do Recife e de tantas outras cidades dos diversos estados brasileiros, de fato, vivemos numa sociedade sem rumo, sem educação e sem futuro. Vivemos hoje o caos brasileiro, não falo do econômico que nos parece fazer parte da nossa vida, falo da crise de identidade e de ética. Somos um país que não tem futuro a curto nem a longo prazo, nosso querido Brasil precisará de mais de 500 anos para quem sabe, começar a ser levado a sério pelos próprios brasileiros. O brasileiro hoje não acredita mais em ninguém, nem nele mesmo, o que é um absurdo para quem quer ser um país sério, o legislativo, só legisla olhando para o espelho, o executivo longe do povo e perto da família dos que detém o poder, o judiciário que até pouco tempo era leva a sério, hoje julga com uma balança sem aferição e com medidas injustas e protecionista, 10 pesos e uma medida.

Se fossemos um país sério, o carnaval deste ano seria na frente dos poderes da República e a fantasia seria de palhaço, com todo respeito a profissão de palhaço.

Se fossemos uma país sério nenhum destes políticos que hoje estão sendo processados e acusados de roubos seriam eleitos em 2018.

Se fossemos uma país sério, as instituições funcionariam a favor do povo independentemente da posição na sociedade.

Se fossemos um país sério professores seriam a classe mais bem paga entre os profissionais.

Se fossemos uma país sério, moradia, saúde e educação seriam gratuitas e para todos.

Se fossemos uma país sério, indiciados e desvio de dinheiro público não estariam ocupando cargos públicos.

Se fossemos um país sério a justiça seria cega e para todos. Se fossemos um país sério teríamos segurança garantida pelo Estado.

Como ainda não somos um país sério, o que prevalece é a vergonha, a incompetência, a fraude e o ilusionismo político.

Roberto Santos

Deixe um comentário:

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Current ye@r *