FIEPE, SENAI e ISI-TICs recebem empresários do setor automotivo para Workshop Rota 2030

Com o objetivo de aproximar o setor automotivo de atores envolvidos na área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), a Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco (FIEPE) recebe, no próximo dia 17, das 9h às 17h, a edição regional do “Workshop Rota 2030 – Projetos e Programas Prioritários”. O evento, direcionado para representantes de empresas da cadeia automotiva, ocorre na Casa da Indústria, localizada no bairro de Santo Amaro. Para se inscrever, é necessário preencher o formulário disponível neste link.

O evento está sendo promovido pela Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA), entidade que atua no debate sobre questões estratégicas relacionadas à engenharia automotiva nacional. Pela manhã, a programação do workshop será iniciada com a apresentação do Programa Rota 2030, que será realizada por Gustavo Bicalho, especialista em Conformidade Regulatória na Fiat Chrysler Automobiles (FCA) e representante da AEA.

Ainda no primeiro turno, as instituições responsáveis pela gestão dos recursos do Rota 2030, incluindo o SENAI, irão apresentar seus respectivos programas prioritários. À tarde, das 13h30 às 17h, representantes das empresas, instituições gestoras dos recursos envolvidos e ICTs responsáveis pela construção de soluções relacionadas à inovação, incluindo o Instituto SENAI de Inovação para Tecnologias da Informação e Comunicação (ISI-TICs), poderão esboçar desafios e alternativas de soluções e encaminhar tratativas com os coordenadores dos programas prioritários.

ROTA 2030

O “Rota 2030” é um programa criado pelo Governo Federal, por meio da Lei 13.755/2018, que define regras e estabelece metas para a fabricação dos automóveis que serão produzidos e comercializados no País nos próximos 15 anos. Entre os benefícios previstos pelo programa estão melhores condições para a comercialização de novos veículos; redução de imposto de renda e da contribuição social sobre o lucro líquido para as empresas que investirem em pesquisa e desenvolvimento; e isenção fiscal para a aquisição de peças importadas.

Em contrapartida, as montadoras deverão investir em desenvolvimento tecnológico a alíquota de 2% que seria paga sobre a importação de peças que não tem equivalente no Brasil. Ao todo, a estimativa é que sejam feitos investimentos da ordem de R$ 1 bilhão pelos próximos cinco anos. Os recursos serão geridos por um conselho gestor e liberados por meio de cinco entidades, sendo umas delas o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). O projeto “A³ – Alavancagem de Alianças para o Setor Automotivo”, apresentado pela instituição, foi um dos aprovados pelo Ministério de Economia como um dos Programas Prioritários do Rota 2030.

Dica: A Máquina De Vendas Online 2018