Rombo do Petros é fruto da má gestão e da forma como PT administra máquina pública, diz líder Mendonça Filho.

O líder do Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), afirmou nesta quarta-feira, que o resultado do Petros, fundo de pensão da Petrobras, foi afetado pela má gestão da empresa e pela forma como o PT tem conduzido a máquina pública.

Mendonça Filho comentava a alta de 60% no rombo do fundo de pensão da Petrobras, superando a marca de R$ 10 bilhões. Lembrou que a situação deste e de outros fundos está sendo investigada pela CPI dos Fundos, presidida pelo deputado Efraim Filho (DEM-PB).

 Disse que a gestão dos fundos foi aparelhada, servindo, muitas vezes, de conexão para os desvios da Petrobras. “Boa parte dos financiamentos que bancaram navios sonda tiveram, nos fundos de pensão apoio financeiro decisivo para esses investimentos, que significaram graves prejuízos para a estatal e para os funcionários”, afirmou Mendonça Filho.

Mendonça destacou que o rombo no Petros, resultado dessa má gestão e de possíveis desvios, não pode ser debitado na conta da sociedade e nem dos trabalhadores. “Os responsáveis têm que ser punidos”, defendeu, destacando a importância da CPI dos Fundos de Pensão para esclarecer à sociedade como esses fundos estavam sendo geridos pelos governos do PT.  

Leia Mais

Líder do Democratas, Mendonça Filho, e outros líderes da Oposição lançam painel para colher assinaturas pró-impeachment

O líder Mendonça Filho (PE), do Democratas, e demais líderes da oposição, lançaram nesta quarta-feira (04) um painel para colher, simbolicamente, assinaturas de deputados para o impeachment da presidente Dilma Rousseff/PT. Além das irregularidades técnicas já enumeradas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), Mendonça citou a desconfiança com que os brasileiros olham para o governo da presidente petista. “Dilma roubou a confiança, a esperança no futuro”, afirmou.

Para o líder Mendonça Filho, o país está paralisado, sem agenda e a presidente já não governa mais. “A sociedade quer o fim desse governo e nós estamos aqui para garantir que isso ocorra”, garantiu. “Até o final de novembro a Câmara deve se posicionar em relação ao processo de impeachment”, afirmou. “O Brasil não pode esperar mais”, concluiu.

O painel tem 513 espaços para assinaturas (o número total de deputados) e ficará exposto no Salão Verde da Câmara, para que os demais parlamentares manifestem apoio ao impeachment da presidente Dilma. O objetivo do painel é estimular outros parlamentares a se posicionarem com relação ao processo de impedimento e pressionar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a acolher um dos pedidos de impeachment em desfavor da petista.

Leia Mais

Mendonça Filho manifesta solidariedade aos grupos pro-impeachment acampados em Brasília

O líder do Democratas, deputado Mendonça Filho, manifestou solidariedade aos integrantes de movimentos pró-impeachment que estão acampados há uma semana no gramado em frente à Câmara. Para ele, o grupo manifesta-se em defesa daquilo em que acredita. Criticou aqueles que tentam “intimidar” as pessoas que lutam em favor da democracia. Na tarde de hoje, o líder e outros deputados da bancada do Democratas visitaram o acompanhamento, que reúne representantes de vários movimentos de rua.

Em discurso no plenário da Câmara, Mendonça Filho disse que os petistas tratam o impeachment como “palavrão”, mas que este é um instrumento previsto na Constituição Federal.  “Hoje tem fundamento, fundamento, fundamento. Tem povo na rua defendendo que há ingovernabilidade absoluta, recessão, mais de 1,2 milhão de desempregados e o povo revoltado com irregularidades do governo Dilma”, afirmou, defendendo o impeachment.

Segundo Mendonça Filho, o afastamento da presidente Dilma se justifica por motivos como as “pedaladas fiscais” de 2014 e as irregularidades contábeis, que continuaram a ser praticadas em 2015. O líder do Democratas destacou, ainda que o Governo mentiu e cortou beneficiários do programa Bolsa Família, especialmente no Nordeste.

Em seu discurso, também cobrou que o governo posicione-se sobre o Projeto de Lei (PL) 2960/15, sobre a regularização de recursos lícitos enviados ilegalmente ao exterior. Disse que não vai aceitar qualquer medida que tenha como objetivo regularizar recursos desviados ilicitamente dos cofres públicos.

Leia Mais

Dilma sanciona Lei do Artesão

Pauta foi debatida durante o Congresso Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil

A presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil (CNARTS), Isabel Gonçalves, afirmou que a categoria que reúne mais de 10 milhões de brasileiros tinha certeza que a presidente Dilma Rousseff não iria “dar as costas” a uma reivindicação histórica. A expectativa foi confirmada por Dilma, que sancionou a Lei 13180/2015, regulamentando a profissão do artesão, na noite desta quinta (22), sem vetos, e que será publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU), nesta sexta (23).

Isabel afirma que a regulamentação da profissão é resultado de mais de 35 anos de luta. Inclusive, o assunto foi debatido no VII Congresso Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil (CONTRARTE), que aconteceu entre os dias 19 e 21 deste mês, em Natal-RN. “Uma manifestação de uma categoria que há 35 anos lutava para a consolidação da lei. Agora vamos avante artesãos! A luta apenas começou. Viva o artesão do Brasil!”, frisou ela.

Ainda segundo Isabel, Dilma, ao sancionar a lei, atendeu ao clamor da categoria, de uma mobilização liderada pela CNARTS, além de ser fortalecida pela Frente Parlamentar Mista em Defesa do Artesão e em Apoio ao Artesanato Brasileiro, bem como diversas outras forças políticas. “Eles entendem as nossas reivindicações, como o Ministério do Turismo e do Trabalho, que ratificam a necessidade de possibilitar a liberdade, o anseio e a justiça social aos trabalhadores artesãos”, finalizou. O desenvolvimento do trabalho artesanal passa pela “implantação de políticas públicas”.

Para o deputado federal Givaldo Vieira (PT-ES), profissionalizar este setor e dotá-lo de estrutura para promover desenvolvimento econômico e social – um dos pilares das iniciativas dos Governos do Partido dos Trabalhadores – é se preocupar com a qualidade de vida das pessoas. “Artesanato forte é sinônimo de famílias bem cuidadas, de economia aquecida e cidades mais atrativas pelo impulso também à cultura e ao turismo, característicos desta arte, que tem a cara do Brasil”, afirmou Vieira.

A regulamentação da profissão é uma conquista de mais de 10 milhões de artesãs e artesãos, que contam com o empenho principalmente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil (CNARTS), das federações estaduais e da frente parlamentar, criada este ano com o objetivo de fortalecer a representatividade da categoria em nível nacional.

Antes de ser enviado para a sanção da presidenta Dilma, o Projeto de Lei, de autoria do Senado Federal, foi aprovado em comissões da Câmara dos Deputados, como a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), nesta última, em 09 de setembro deste ano.

Leia Mais

Líder do PSDB no Senado confessa: “Fernando Henrique fez pedaladas”

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) admitou pedaladas durante sessão nesta quinta (15)

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) admitiu pedaladas durante sessão nesta quinta (15)

Advertido pelo senador Jorge Viana (PT-AC) que frisou: “vai dar manchete amanhã”, o tucano tentou, sem sucesso, remendar a confissão dizendo que FHC fez pedaladas, mas “não fez a suplementação”.

Em seguida, percebendo o tamanho do vacilo, ele disse: “Pode ter feito”. Mas não teve jeito. Vendo que o remendo piorou a situação, ele afirmou: “Não, não afirmei. O que eu estou dizendo é que ele não fez o crédito suplementar”.

A declaração do senador tucano reforça as argumentações apresentadas pelo governo ao Tribunal de Contas da União (TCU) de que os atrasos nos repasses aos bancos públicos para pagamentos da União aconteciam desde 2001, portanto, durante o governo de FHC, o que não poderia justificar a rejeição das contas.

Cássio é um dos porta-vozes do golpismo e tenta usar a recomendação de rejeição das contas pelo TCU – fato resultante da contaminação da polarização política no tribunal – como motivo para abrir um processo de impeachment.

                                https://www.youtube.com/watch?v=MfzpsZdgdb0
Fonte:https://mail.google.com/mail/u/0/#inbox/15072e7e24c4a703

Leia Mais