70 principais realizações do governo Bolsonaro, em seus primeiros 6 meses

O competente e respeitável Stephen Kanitz divulgou no seu Facebook, uma lista das 70 principais realizações do governo Bolsonaro, em seus primeiros 6 meses!

Seguramente estamos diante de uma gigantesca transformação positiva em nosso país, que nossa aparelhada e deprimida imprensa, insiste em ignorar!

Neste período, é disparado o melhor governo da nossa historia republicana! Recomendo ver e compartilhar!!

Uma Avaliação Honesta dos 6 Meses de Bolsonaro

1. Bolsonaro resgata a Democracia Brasileira, reintroduzindo a salutar alternância do Poder. Depois de 24 anos de um controle supremo que degenerou em corrupção.

2. Bolsonaro recebe um país em enorme recessão, com 20% de desemprego efetivo, deficit de 7% do PIB pelos excessos de gastos de seus antecessores, e uma dívida indo para 100% do PIB do país.

3. Foi o primeiro Presidente a ser eleito sem Caixa 2, sem enormes gastos de propaganda, sem compra de votos. Bolsonaro mostra que é possível se eleger sem corrupção, uma lição para os demais partidos furiosos.

4. Elege a maior bancada Libertária e Liberal, cujo objetivo é resgatar o poder do brasileiro de decidir usurpada pelo domínio incontrolado do Estado desde 1500.

5. Foi o primeiro Presidente a não negociar seus Ministros com o Legislativo, que assim nunca obedeciam ao Presidente, mas sim aos interesses do Partido.

6. Reduziu os Ministérios para um número administrativamente viável, 22.

7. Colocou vários Militares como Ministros, selecionados ao longo de 30 anos internamente por competência, e que têm muito mais conhecimento administrativo do que os políticos de partidos escolhidos até então.

8. Primeiro a efetivamente cumprir a promessa de combate à corrupção, indicando o Ministro Sérgio Moro, o primeiro Ministro no Brasil com experiência comprovada no combate à nossa corrupção endêmica há 500 anos.

9. Primeiro Presidente a escolher a maioria dos seus Ministros formando uma equipe administrativa. Um ex presidente atribuiu o fracasso do seu segundo mandato à “Eu só tinha como Ministros Malan, Lafer, Paulo e Serra, e esse não me obedecia”.

10. Estabelece decreto regulamentando os critérios, o perfil profissional e os procedimentos gerais para a ocupação de cargos em comissão e funções comissionadas na administração federal direta, incluindo autarquias e fundações. A medida atinge mais de 24.000 cargos (DAS).

11. Escolhe Paulo Guedes, o primeiro Ministro da Economia a trabalhar no mundo real e não no acadêmico.

12. Escolhe um Ministro da Educação disposto a resgatar o ensino de Ciências e das Exatas, consideradas Desumanas até então.

13. Escolhe um Ministro de Relações Exteriores comprometido a defender os interesses do Brasil em vez de Bolívia, Cuba e Venezuela.

14. Fruto dessa escolha, finalmente fechamos Acordo Comercial com a União Europeia, que aumenta em 1.000% nossos mercados potenciais, contra 20% para as empresas europeias.

15. No primeiro dia de Governo aumentou o salário mínimo, espontaneamente, sem greves e discussões, e sem capitalizar para si num discurso de 1º de maio.

16. Demitiu nos primeiros dias 320 “comissionados” somente na Casa Civil, uma economia de R$ 1,8 bilhão.

17. Demitiu mais 21.000 cargos “comissionados” com uma economia para o povo brasileiro estimada pelo governo em R$ 160 bilhões com a medida.

18. Bolsonaro resgata o conceito que MPs deverão ser aprovadas por mérito e não por compra de votos com o Legislativo. Razão da oposição de Rodrigo Maia, que perde assim poder.

19. Realiza 23 leilões de portos, aeroportos e ferrovias em seis meses, quando nos demais governos demoravam anos. No total, foram arrecadados mais de R$ 7 bilhões.

20. Ajuda o turismo interno, esse sim gerador de divisas, dispensando o visto de entrada no Brasil para canadenses, australianos, japoneses e norte-americanos.

21. Bolsonaro assina MP da Liberdade Econômica para desburocratizar startups, e dezenas de outros estímulos para o empreendedorismo.

22. Bolsa de Valores alcança 100 mil pontos pela primeira vez na história brasileira, depois de atingir 40.000 no governo anterior. Isso reduz pela metade o custo de captar recursos próprios para o crescimento das empresas.

23. O Senado aprovou a posse estendida de armas de fogo em propriedades rurais, que permite ter uma arma de fogo para se defender não apenas na residência, mas em toda a propriedade rural. Bandidos já não se sentirão tão seguros ao entrar na sua casa.

24. Auxilia a extradição de Cesare Battisti que havia sido autorizada pelo então presidente Michel Temer. Foragido na Bolívia, terrorista protegido por governos anteriores, normalizando uma disputa justa da Justiça da Itália que exigia a sua devolução, e reconquistando um país amigo.

25. Permite empresas e o próprio governo a guardarem documentos digitalizados e não mais impressos por 5, 10 ou 20 anos. Isso economizará R$ 466 milhões por ano só no Governo Federal, e provavelmente R$ 40 bilhões nos próximos 10 anos nas empresas, ONGs, igrejas, etc.

26. Controla a indústria de multas do IBAMA que chegou a R$ 4 bilhões de reais por ano, R$ 32 bilhões em 8 anos se for reeleito, sufocando nossa agricultura.

27. Reduz as invasões de terra que inibiam novos investimentos no setor agrícola, de 43 invasões por ano em 2018 para uma em 2019.

28. Exige devolução de R$ 126 bilhões do BNDES, que foi uma forma de pedalada que governos anteriores usaram para promover o crescimento de outros países, em detrimento do Brasil, sem autorização do Congresso.

29. Extingue contrato que pagava a Cuba R$ 11.500,00 por médico cubano, enquanto estes recebiam somente R$ 3.000,00 por mês em regime de escravidão. Economizando para o Brasil R$ 11 bilhões que financiava uma Ditadura Militar.

30. Bolsonaro assina ato que retira qualquer sigilo de operações de crédito envolvendo recursos públicos do BNDES, Caixa, BB permitindo fiscalização pelo TCU.

31. Bolsonaro criminaliza o Caixa 2 dos Partidos, forma pela qual todos os Presidentes anteriores foram eleitos, início da corrupção.

32. Bolsonaro também criminaliza a compra de votos, usados por todos os seus antecessores para se elegerem.

33. Bolsonaro sanciona lei que pune o abuso do poder, a de tomar decisões administrativas por razões partidárias ou políticas, como de Flavio Bolsonaro.

34. Quebrou o monopólio da imprensa de noticiar o Planalto exclusivamente, passando a dar as notícias diretamente em primeira mão, via Twitter.

35. Propõe nova Lei Anticorrupção. Jânio “da vassoura” e Collor do “caça aos marajás” ficaram somente no discurso.

36. Combate o Crime Organizado desorganizando-o, transferindo seus chefes para Prisões Federais, incorruptíveis abaixo do Moro.

37. Corta bilhões de propaganda estatal, que era a forma de governos anteriores comprarem a imprensa, numa prática totalmente antidemocrática, totalmente inconstitucional.

38. Extingue 700 grupos de trabalho, conselhos e comitês de administração que no fundo eram cabides de suplementação salarial.

39. Exige Petrobras a fazer um corte de despesas, aceito e calculado em R$ 3 bilhões, que será repassado como corte nos preços.

40. Já no dia 4 cria Lei de 4 de janeiro de 2019, que permite a contratação de Administradores Profissionais nas empresas familiares com somente 51% dos votos, antes era 66%. Reduziu assim o poder das grandes famílias controladoras.

41. Jair foi o primeiro Presidente a contribuir ao Teleton do Silvio Santos, mostrando um belo exemplo que a responsabilidade social é de todos, não só do governo.

42. General Heleno escolhe os 20.000 cargos de confiança convidando os originais afastados por interesses políticos a voltarem a assumir os cargos para os quais foram preparados. Foi assim que o Governo Bolsonaro conseguiu tanto em tão pouco tempo de governo.

43. Combate o uso da Cultura Brasileira para fins políticos e não culturais reduzindo a Lei Rouanet.

44. Foi o Primeiro Presidente a propor uma Reforma da Previdência que realmente reduz os gastos e os abusos, em vez de postergá-los como fez FHC com o Fator Previdenciário.

45. Contestou o bônus mensal de 2.000 presos da ditadura, que ganhavam apesar de terem sido anistiados.

46. Introduz o pagamento de 13º para o Bolsa Família, ao contrário do que os demais candidatos disseram nas suas campanhas que Bolsonaro iria acabar com o Bolsa Família.

47. Os homicídios e crimes violentos tiveram uma redução da ordem de aproximadamente 25% com relação a 2018 em todo país, um dado impressionante.

48. A morte de policiais em ação, por outro lado, diminuiu mais de 10% no mesmo período.

49. Bolsonaro pede ingresso na OECD, um bloco de cooperação mútua de valor. Quando governos anteriores nos ingressaram no Foro de São Paulo, e na Nação Bolivariana, onde perdemos uma Refinaria para a Bolívia.

50. Bolsonaro enfrenta o lobby dos cinco Bancos oligopolistas e cria a Empresa Simples de Crédito, que serão 10.000 mini bancos competindo com os grandes. É o início de uma plataforma competitiva de Bancos Comunitários, como nos Estados Unidos.

51. Primeiro Presidente a investigar a caixa preta do BNDES. Demite Joaquim Levy que queria encobrir as operações. Será o maior escândalo financeiro da história do mundo, superior à Lava Jato.

52. Inicia a desestatização da Eletrobras permitindo novos investimentos num dos maiores gargalos de nossa economia.

53. Bolsonaro diz que só irá buscar a recandidatura se não for aprovada a sua Reforma Política. Golpe de mestre, só assim os políticos irão aprovar.

54. Obtém liminar que permite Estatais venderem as suas “subsidiárias” ilegalmente constituídas, sem obterem a autorização prévia do Congresso para tal.

55. Propõe reduzir IR de empresas que reinvestem seus lucros, e criar imposto de renda para empresas que distribuírem os seus lucros. Nenhum Presidente anterior percebeu que taxar lucros reinvestidos das empresas é um tiro no pé no crescimento futuro dos impostos e do Brasil.

56. Segundo a Folha de São Paulo, insuspeita, Bolsonaro cumpre 66% das metas prometidas para os primeiros 100 dias. Todos os demais estavam aquecendo seus assentos.

57. Cria o Programa de Estímulo Familiar na Agricultura.

58. Implantação do Centro de Testes de Tecnologias de Dessalinização, importantíssimo para combater as secas no Nordeste.

59. Cria o Ciência na Escola. Hoje praticamente não se ensina Ciências Exatas nas escolas, razão pela qual somos tão ruins em Matemática, que fica chato e sem nexo.

60. Incentiva a Olimpíada Nacional de Ciências onde jovens inventores podem mostrar suas ideias e serem valorizados. Hoje só valorizamos a Academia de Letras e seus acadêmicos.

61. Primeiro a criar uma Auditoria nos pagamentos do INSS. Prevê-se que detectarão R$ 100 bilhões de fraudes permitidas por antecessores.

62. Envia ao Congresso um Projeto de Lei com as bases da Educação Familiar e Comunitária, onde pais criam escolas comunitárias sem fins lucrativos e sem interferência do Estado na educação dos seus próprios filhos.

63. Primeiro Presidente a alertar sobre os indevidos privilégios aferidos por funcionários públicos, e na Reforma da Previdência, a um enorme custo político pessoal.

64. Extinção de todos os cargos efetivos vagos. Se estão vagos não são necessários e somente seriam cobiçados por algum Partido.

65. Cria sistema de compliance no Ministério da Agricultura, para começar uma prática a ser generalizada.

66. Combate à arrogância intelectual e discriminação de classes. Veda o uso em cerimoniais de V.Exa. e Dr.

67. Exige profissionalização em cargos financeiros em instituições financeiras estatais que antes eram dados a políticos sem nenhuma capacitação financeira.

68. Cria MP proibindo o judiciário de impor cláusulas que não figuravam nos contratos entre duas pessoas.

69. Sanciona o Cadastro Positivo, beneficiando os 130 milhões de brasileiros que são bons pagadores, reduzindo os juros cobrados. Hoje só temos o Cadastro Negativo que aumenta os juros.

70. Listamos somente as medidas que mudam o comportamento dessa nação, que mexem no status quo, que mexem com nossa estagnação.

Há mais 30 medidas e MPs de cunho operacional, mas esse tipo de medida seus antecessores também fizeram nos seus primeiros meses.

Parabéns, Presidente!

Fonte: Stepen Kanits

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=3388606077831433&id=100000462228752

Leia Mais

JABOATÃO: TURISMO ZERO, Prefeito não valoriza Cultura e Turismo da Cidade

A gestão do Prefeito Anderson Ferreira iniciou em 2017 com o Turismo sendo destaque nos noticiários. Em seu primeiro ato, na época, nomeou o Vereador Marlus Costa como Secretário de Turismo, algumas ações foram feitas na ocasião, dentre elas podemos destacar, a recuperação de um convênio de quase 2 milhões de reais parado da gestão passada, montou um time com profissionais de Jaboatão, lançou a campanha nacional com direito a vídeo ( divulgado constantemente na tv 📺), revista , mapa , guia de bolso e outros materiais, chamou as associações, trade e empresários do ramo para atrair turistas do Brasil e internacionais e após sua saída da secretaria, acabou a vontade de se fazer algo e está como é hoje, abandonado.

Importante lembrar que houve erros também na gestão do então secretário, no enato, não se pode negar que houve vontade política para se fazer algo na área.

(mais…)

Leia Mais

Mendonça Filho defende derrubada do veto da presidente Dilma ao voto impresso

O líder do Democratas na Câmara dos Deputados, Mendonça Filho, defendeu a derrubada do voto impresso, item vetado pela presidente Dilma Rousseff/PT durante análise da minirreforma eleitoral. “A impressão é importante para que o eleitor tenha segurança de que seu voto não será fraudado. O voto dado precisa ser checado, caso haja necessidade de auditoria nas urnas eletrônicas”, afirmou.

       A derrubada do veto – 42/2015 – é um dos itens de discussão esta semana do Congresso Nacional. A bancada do Democratas é a favor do voto impresso e trabalha pela sua derrubada.  O líder do partido disse que não é possível confiar num sistema que não permite checagem em hipótese de dúvida. O voto impresso estava previsto na Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 182/07, aprovada em segundo turno na Câmara em julho.

Leia Mais

Proposta de Mendonça Filho que impede o repasse para o valor das passagens do aumento dos custo da folha das empresas de transporte é aprovada na Câmara

O plenário da Câmara aprovou na tarde desta terça-feira (17) destaque do líder do Democratas, deputado Mendonça Filho, que impede o acréscimo proposto pelo Governo Dilma de 50% na contribuição previdenciária do setor de transporte público. O destaque do líder do Democratas garante a manutenção do valor das passagens do transporte público.

“O trabalhador que usa transporte público não pode ser sacrificado ainda mais com aumento de passagem. A conta da crise criada pela irresponsabilidade fiscal do Governo Dilma não cair só no colo da população”, afirmou, ressaltando que impedir a reoneração da folha significa não elevar custos para as empresas e impedir o repasse ao usuário.

O texto do  Governo Dilma/PT previa um aumento da alíquota de 2% para 3% sobre a receita bruta para as empresas de transporte de passageiros, em substituição à contribuição da folha de pagamentos. O destaque do DEM à Medida Provisória 685/15  reintroduziu no texto a alíquota de 2%.  Na avaliação de Mendonça Filho,  o setor de transporte interfere diretamente na vida da população, que depende desse serviço.

Leia Mais

Câmara cria comissão e fará debate sobre rompimento de barragens em MG

Câmara dos Deputados vai criar uma comissão externa para acompanhar e monitorar os desdobramentos do desastre ambiental em Mariana (MG). Também será realizada uma comissão geral em Plenário para discutir o tema.

Na última quinta-feira (5), duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco se romperam, gerando uma enxurrada de lama que deixou vários desabrigados e, até agora, seis mortos.

A comissão externa foi solicitada pelo deputado Gabriel Guimarães (PT-MG) e outros parlamentares, que vão compor o colegiado. Já o requerimento para a realização da comissão geral é de autoria do deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA). “Sem dúvida alguma, esta será uma oportunidade para aprofundar o debate e para que se apure as responsabilidades”, disse Jordy.

O líder do PV, deputado Sarney Filho (MA), disse se tratar da maior tragédia ambiental na região e ressaltou que não se sabe ainda o grau de contaminação da lama no rio Doce e seus afluentes. “É importante que esta Casa pressione, para termos noção do que ocorreu, e para punirmos essa mineradora. Não podemos passar a mão”, disse.

Auxílio à população
Já o deputado Domingos Sávio (PSDB-MG) disse que os parlamentares do estado querem incluir R$ 150 milhões no Orçamento para atender às necessidades da população local. “Temos uma tragédia humana de proporções incalculáveis e é preciso recursos para recuperar a condição de vida”, afirmou.

O deputado Wadson Ribeiro (PCdoB-MG) apresentou projeto que obriga a contratação de seguro contra rompimento ou vazamento de barragens (PL 3561/15). Ele pediu o aval dos líderes para que a proposta seja incluída na Ordem do Dia em regime de urgência. “Hoje temos ausência de legislação que resguarde as pessoas, o patrimônio público e o meio ambiente nesses acidentes. Precisamos coibir abusos e leniência das empresas”, disse.

O acidente também foi objeto de diversos pronunciamentos em Plenário. O deputado Paulo Foletto (PSB-ES) disse que os impactos sociais, econômicos e ambientais justificam a atuação do Parlamento. “A empresa Samarco é culpada, mas agora é hora de socorrer os atingidos e, a médio e longo prazo, ver como podemos minimizar estragos lastimáveis”, disse. Ele ressaltou que o acidente já impactou a piscicultura e a atividade de ribeirinhos, entre outros.

O deputado Rodrigo Martins (PSB-PI) demonstrou preocupação com a possibilidade de o desastre atingir outros estados através dos rios. O Espírito Santo já foi afetado. Já o deputado Padre João (PT-MG) disse que a Samarco foi omissa nas prevenções das barragens. “A Samarco deve ressarcir os danos para ajudar a população a reconstruir uma nova comunidade”, opinou.

Abastecimento de água
Para o deputado Tenente Lúcio (PSB-MG), é preciso urgência nas ações do governo para garantir abastecimento de água potável aos municípios afetados. “A lama de rejeitos das duas barragens chegou ao rio Doce, comprometendo o abastecimento de várias cidades”, informou.

O deputado Delegado Edson Moreira (PTN-MG) cobrou da Samarco o pagamento de indenizações aos atingidos e apoio na reconstrução das cidades que foram afetadas pela lama de rejeitos. A urgência na liberação de recursos para a população afetada também foi ressaltada pelo deputado Caio Narcio (PSDB-MG).

O apoio de voluntários e as doações para os desabrigados foram destacadas pelos deputados Rodrigo de Castro (PSDB-MG) e Eduardo Cury (PSDB-SP). Os parlamentares pediram que as ações sejam mantidas mesmo depois de superado o período crítico.

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara Notícias

 

Leia Mais

Cunha apresentará defesa preliminar ao Conselho de Ética até a segunda-feira

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, disse que o seu advogado apresentará até a próxima segunda-feira (16) a sua defesa preliminar ao Conselho de Ética, que analisa representação do Psol e da Rede Sustentabilidade contra ele por suposta quebra de decoro. “Posso me manifestar em qualquer fase do processo. Neste primeiro momento, será uma defesa preliminar. Se o parecer [do relator Fausto Pinato, do PRB de São Paulo] for pela aceitação [da representação], aí sim apresentarei uma defesa formal, com testemunhas”, explicou. Ele informou ter sido notificado oficialmente do processo na segunda-feira (9).

Cunha disse que está “completamente confiante e completamente tranquilo” quanto à representação no colegiado. Perguntado por repórteres, ele afirmou que a análise dos pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff não tem nenhuma relação com o processo no conselho.

Os jornalistas perguntaram, também, de que forma Cunha recebeu a notícia de que o deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), seu aliado, deverá assumir uma vaga no Conselho de Ética em substituição a Wladimir Costa (SD-PA), que se afastou por motivos de saúde. “Não estou nem aliviado nem angustiado”, respondeu o presidente.

Passaportes
Cunha foi questionado pelos repórteres sobre a informação, divulgada por sites de notícias na tarde desta terça-feira (10), de que ele teria mostrado a líderes partidários passaportes que comprovam dezenas de viagens suas na década de 80 a países da África. Cunha afirmou na semana passada, em entrevista à TV Globo, que os recursos usufruídos por ele no exterior vieram de negócios de venda de carne no continente africano. Investigado na Operação Lava Jato, o presidente é acusado de manter contas bancárias na Suíça.

Ele não entrou em detalhes sobre o assunto dos passaportes, mas explicou: “Foi apenas para mostrar a eles [os líderes partidários] que não existe história, existe fato. Apenas mostrei uma simples prova de que o conteúdo que a gente estava divulgando era verossímil. Não foram provas formais, nem era esse o objetivo, e sim combater a especulação de que não teria existido isso.”

Na avaliação do deputado Paulo Pereira da Silva, os passaportes apresentados por Eduardo Cunha durante o almoço desta terça-feira com os líderes são provas suficientes para confirmar a sua linha de defesa. Já o deputado Henrique Fontana (PT-RS) afirmou que as explicações não são convincentes.

Da Redação/JPJ

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura ‘Agência Câmara Notícias

 

Leia Mais

Inflação impulsionada por combustíveis mostra que represamento de preços do PT para ganhar eleição foi enganação, diz líder Mendonça Filho

A alta da inflação para cerca de 10% no acumulado de 12 meses até outubro reflete a falta de compromisso do governo do PT com os brasileiros e com a situação econômica do país, afirma o líder do Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE). O IPCA de outubro, divulgado na manhã desta sexta-feira, variou de 0,82% para 0,42% no mesmo mês de 2014. Com isso, o acumulado em 12 meses já atinge 9,93%.

“O vilão do mês foi o item transportes, principalmente por causa dos combustíveis, cujos preços foram represados no período que antecedeu a eleição para garantir a reeleição de Dilma”, afirmou, ressaltando que a verdade vem à tona e os brasileiros percebem o quanto foram enganados. Mendonça lamentou que a inflação e o desemprego caminhem juntos para os dois dígitos.

Na sua avaliação, desemprego e recessão altas, acompanhados de inflação também elevada, não seguem a lógica econômica. “Só no Brasil concebido pelo PT”, ironiza.          O item “transporte” subiu 1,72% somente em outubro, refletindo aumento de mais de 5% na gasolina. A alimentação foi o segundo que mais subiu, com o frango e o açúcar liderando a alta em outubro.

Leia Mais

Rombo do Petros é fruto da má gestão e da forma como PT administra máquina pública, diz líder Mendonça Filho.

O líder do Democratas na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), afirmou nesta quarta-feira, que o resultado do Petros, fundo de pensão da Petrobras, foi afetado pela má gestão da empresa e pela forma como o PT tem conduzido a máquina pública.

Mendonça Filho comentava a alta de 60% no rombo do fundo de pensão da Petrobras, superando a marca de R$ 10 bilhões. Lembrou que a situação deste e de outros fundos está sendo investigada pela CPI dos Fundos, presidida pelo deputado Efraim Filho (DEM-PB).

 Disse que a gestão dos fundos foi aparelhada, servindo, muitas vezes, de conexão para os desvios da Petrobras. “Boa parte dos financiamentos que bancaram navios sonda tiveram, nos fundos de pensão apoio financeiro decisivo para esses investimentos, que significaram graves prejuízos para a estatal e para os funcionários”, afirmou Mendonça Filho.

Mendonça destacou que o rombo no Petros, resultado dessa má gestão e de possíveis desvios, não pode ser debitado na conta da sociedade e nem dos trabalhadores. “Os responsáveis têm que ser punidos”, defendeu, destacando a importância da CPI dos Fundos de Pensão para esclarecer à sociedade como esses fundos estavam sendo geridos pelos governos do PT.  

Leia Mais

Líder do Democratas, Mendonça Filho, e outros líderes da Oposição lançam painel para colher assinaturas pró-impeachment

O líder Mendonça Filho (PE), do Democratas, e demais líderes da oposição, lançaram nesta quarta-feira (04) um painel para colher, simbolicamente, assinaturas de deputados para o impeachment da presidente Dilma Rousseff/PT. Além das irregularidades técnicas já enumeradas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), Mendonça citou a desconfiança com que os brasileiros olham para o governo da presidente petista. “Dilma roubou a confiança, a esperança no futuro”, afirmou.

Para o líder Mendonça Filho, o país está paralisado, sem agenda e a presidente já não governa mais. “A sociedade quer o fim desse governo e nós estamos aqui para garantir que isso ocorra”, garantiu. “Até o final de novembro a Câmara deve se posicionar em relação ao processo de impeachment”, afirmou. “O Brasil não pode esperar mais”, concluiu.

O painel tem 513 espaços para assinaturas (o número total de deputados) e ficará exposto no Salão Verde da Câmara, para que os demais parlamentares manifestem apoio ao impeachment da presidente Dilma. O objetivo do painel é estimular outros parlamentares a se posicionarem com relação ao processo de impedimento e pressionar o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a acolher um dos pedidos de impeachment em desfavor da petista.

Leia Mais

Mendonça Filho manifesta solidariedade aos grupos pro-impeachment acampados em Brasília

O líder do Democratas, deputado Mendonça Filho, manifestou solidariedade aos integrantes de movimentos pró-impeachment que estão acampados há uma semana no gramado em frente à Câmara. Para ele, o grupo manifesta-se em defesa daquilo em que acredita. Criticou aqueles que tentam “intimidar” as pessoas que lutam em favor da democracia. Na tarde de hoje, o líder e outros deputados da bancada do Democratas visitaram o acompanhamento, que reúne representantes de vários movimentos de rua.

Em discurso no plenário da Câmara, Mendonça Filho disse que os petistas tratam o impeachment como “palavrão”, mas que este é um instrumento previsto na Constituição Federal.  “Hoje tem fundamento, fundamento, fundamento. Tem povo na rua defendendo que há ingovernabilidade absoluta, recessão, mais de 1,2 milhão de desempregados e o povo revoltado com irregularidades do governo Dilma”, afirmou, defendendo o impeachment.

Segundo Mendonça Filho, o afastamento da presidente Dilma se justifica por motivos como as “pedaladas fiscais” de 2014 e as irregularidades contábeis, que continuaram a ser praticadas em 2015. O líder do Democratas destacou, ainda que o Governo mentiu e cortou beneficiários do programa Bolsa Família, especialmente no Nordeste.

Em seu discurso, também cobrou que o governo posicione-se sobre o Projeto de Lei (PL) 2960/15, sobre a regularização de recursos lícitos enviados ilegalmente ao exterior. Disse que não vai aceitar qualquer medida que tenha como objetivo regularizar recursos desviados ilicitamente dos cofres públicos.

Leia Mais

Dilma sanciona Lei do Artesão

Pauta foi debatida durante o Congresso Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil

A presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil (CNARTS), Isabel Gonçalves, afirmou que a categoria que reúne mais de 10 milhões de brasileiros tinha certeza que a presidente Dilma Rousseff não iria “dar as costas” a uma reivindicação histórica. A expectativa foi confirmada por Dilma, que sancionou a Lei 13180/2015, regulamentando a profissão do artesão, na noite desta quinta (22), sem vetos, e que será publicada na edição do Diário Oficial da União (DOU), nesta sexta (23).

Isabel afirma que a regulamentação da profissão é resultado de mais de 35 anos de luta. Inclusive, o assunto foi debatido no VII Congresso Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil (CONTRARTE), que aconteceu entre os dias 19 e 21 deste mês, em Natal-RN. “Uma manifestação de uma categoria que há 35 anos lutava para a consolidação da lei. Agora vamos avante artesãos! A luta apenas começou. Viva o artesão do Brasil!”, frisou ela.

Ainda segundo Isabel, Dilma, ao sancionar a lei, atendeu ao clamor da categoria, de uma mobilização liderada pela CNARTS, além de ser fortalecida pela Frente Parlamentar Mista em Defesa do Artesão e em Apoio ao Artesanato Brasileiro, bem como diversas outras forças políticas. “Eles entendem as nossas reivindicações, como o Ministério do Turismo e do Trabalho, que ratificam a necessidade de possibilitar a liberdade, o anseio e a justiça social aos trabalhadores artesãos”, finalizou. O desenvolvimento do trabalho artesanal passa pela “implantação de políticas públicas”.

Para o deputado federal Givaldo Vieira (PT-ES), profissionalizar este setor e dotá-lo de estrutura para promover desenvolvimento econômico e social – um dos pilares das iniciativas dos Governos do Partido dos Trabalhadores – é se preocupar com a qualidade de vida das pessoas. “Artesanato forte é sinônimo de famílias bem cuidadas, de economia aquecida e cidades mais atrativas pelo impulso também à cultura e ao turismo, característicos desta arte, que tem a cara do Brasil”, afirmou Vieira.

A regulamentação da profissão é uma conquista de mais de 10 milhões de artesãs e artesãos, que contam com o empenho principalmente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Artesãos do Brasil (CNARTS), das federações estaduais e da frente parlamentar, criada este ano com o objetivo de fortalecer a representatividade da categoria em nível nacional.

Antes de ser enviado para a sanção da presidenta Dilma, o Projeto de Lei, de autoria do Senado Federal, foi aprovado em comissões da Câmara dos Deputados, como a Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), nesta última, em 09 de setembro deste ano.

Leia Mais

Líder do PSDB no Senado confessa: “Fernando Henrique fez pedaladas”

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) admitou pedaladas durante sessão nesta quinta (15)

Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) admitiu pedaladas durante sessão nesta quinta (15)

Advertido pelo senador Jorge Viana (PT-AC) que frisou: “vai dar manchete amanhã”, o tucano tentou, sem sucesso, remendar a confissão dizendo que FHC fez pedaladas, mas “não fez a suplementação”.

Em seguida, percebendo o tamanho do vacilo, ele disse: “Pode ter feito”. Mas não teve jeito. Vendo que o remendo piorou a situação, ele afirmou: “Não, não afirmei. O que eu estou dizendo é que ele não fez o crédito suplementar”.

A declaração do senador tucano reforça as argumentações apresentadas pelo governo ao Tribunal de Contas da União (TCU) de que os atrasos nos repasses aos bancos públicos para pagamentos da União aconteciam desde 2001, portanto, durante o governo de FHC, o que não poderia justificar a rejeição das contas.

Cássio é um dos porta-vozes do golpismo e tenta usar a recomendação de rejeição das contas pelo TCU – fato resultante da contaminação da polarização política no tribunal – como motivo para abrir um processo de impeachment.

                                https://www.youtube.com/watch?v=MfzpsZdgdb0
Fonte:https://mail.google.com/mail/u/0/#inbox/15072e7e24c4a703

Leia Mais