AVANÇO DO MAR EM JABOATÃO: UMA VERDADE INCONVENIENTE

engorda orla jaboatao 1

 

“O mar não avançou, foram os prédios que avançaram sobre a faixa da praia”.

É o que conclui o relatório técnico elaborado por pesquisadores do Departamento de Oceanografia da UFPE/ PGEST, que revelou que, dos 120 quilômetros de orla, entre Paulista à Ipojuca, houve apenas 6% de avanço real do mar, nos outros 112,8 Km, o que houve, na verdade, foi a ocupação desordenada das construções sobre a faixa natural de praia. O problema é, portanto, antrópico e não ambiental, como se quer fazer acreditar. Em Jaboatão, esse processo se deu, sobre tudo, a partir das décadas de 70/80, quando Boa Viajem “transborda” para Jaboatão. Aqui, com uma legislação urbanística frouxa, permitiu-se que a faixa de praia fosse indiscriminadamente loteada. A lei da natureza, contudo, não se submete aos interesses do mercado e hoje, está retomando o que um dia lhe foi tomado pelo homem.

Orçado em mais de R$ 40 milhões, o projeto para salvar o patrimônio imobiliário das orlas de Barra de Jangada, Candeias e Piedade, gastou, somente para fazer o projeto mais de R$ 1 milhão, numa licitação com apenas uma empresa concorrente, a americana, Coastal Planning. Os recursos, contudo, são do Ministério da Integração, logo, do Governo Federal (PT). Porém, desde o início das obras, o prefeito Elias Gomes (PSDB) vem fazendo a maior propaganda, espalhando outdoor pela cidade e na mídia estadual, associando à obra a seu partido e ao Deputado Federal, Sérgio Guerra.

No entanto, antes mesmo de ficar pronta, a engorda da orla já vem apresentando problemas que tem preocupado a população. A manutenção já era esperada, mas não nessa velocidade. Em grandes trechos que sofreram aterro, verificou-se que o mar já escavou a areia depositada artificialmente e em outros pontos, que não registravam problemas de erosão, o mar começa a avançar. O que evidencia a forma pela qual o Estudo de Impacto Ambiental (EIA/ RIMA) foi “aprovado”: à “toque de caixa” pala CPHR. Outros problemas estão surgindo: a alteração do local natural de desova de tartarugas e a modificação do relevo costeiro, hoje a praia afunda de forma abrupta, causando risco de afogamento afogamentos aos banhistas, além do histórico problema da poluição da praia por esgoto, em decorrência da falta de saneamento do município.

PREJUÍZOS: Os danos ambientais são irreparáveis, já o possível prejuízo econômico, pelo que talvez possa ser o maior desperdício de dinheiro público da história de Jaboatão, não deve ficar ileso! Caso a obra não dê certo, a gestão do PSDB e as empresas envolvidas devem ser responsabilizadas, do contrário, seremos nós, a população quem pagaremos essa conta!

VEJA REPORTAGEM DA GLOBO AQUI:
http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2013/10/engorda-da-orla-de-jaboatao-e-concluida-mas-ainda-ha-problemas.html

VEREADOR 2020: Estratégias e tatícas para uma campanha vencedora

Deixe um comentário: